CORONA | MANIFESTO DA CICLOCIDADE

manifestociclocidade

LIBERAR BICICLETAS NOS VAGÕES E REABRIR BICICLETÁRIOS PÚBLICOS CONTRIBUEM NO COMBATE A COVID19

Bicicleta não é só lazer e diversão, mas uma opção segura para o deslocamento de quem precisa trabalhar para manter a cidade funcionando. Ações para aumentar o uso da bicicleta também são estratégicas para desafogar sistemas de transporte e saúde.

Na última segunda-feira (23/04/2020), ficamos sabendo, através das redes sociais do Metrô, que os bicicletários da operação “deixariam de funcionar” e que “o transporte de bicicletas está suspenso”. Também recebemos com surpresa um comunicado informando o fechamento dobicicletário do Largo da Batata cumprindo determinação da Prefeitura Municipal, pela operadora Tembici.

A Ciclocidade, e todas as organizações da sociedade civil que assinam este posicionamento, pedem a imediata revogação das medidas, uma vez que essas escolhas não têm justificativa técnica e vão na contramão do que vem sendo adotado em diversas cidades ao redor do mundo, como Bogotá,

Londres, Lisboa e Nova York – só pra citar alguns exemplos. Nessas cidades, a bicicleta está sendo incentivada como modo de transporte para barrar a propagação do vírus. É preciso respeitar a bicicleta como parte integrante do sistema de transporte das cidades e, mais do que isso, entender que é uma aliada importante no combate ao coronavírus, por se tratar de um transporte individual e de um veículo muito utilizado na logística, especialmente para o gênero alimentício.

A orientação é ficar em casa, mas todos sabemos que há serviços essenciais que precisam continuar funcionando para garantir a vida nas cidades. Toda a massa de trabalhadores que segue tendo de sair de casa precisa que o Estado garanta seu direito de ir e vir, fazendo uso do sistema de transporte coletivo da cidade queprecisa ser mantido nesse momento. Os bicicletários da cidade promovem a intermodalidade das linhas e estações que fazem parte desse sistema e, portanto, devem ser mantidos funcionando integralmente para garantir os direitos dos trabalhadores.

Aqui destacamos a massa de trabalhadores que precisam pedalar para trabalhar, como é o caso dos milhares de ciclistas-entregadores que cruzam a cidade transportando comida, remédio e outros produtos em suas costas. A medida imposta pelas Secretarias de Transporte tanto do Estado quanto do município -STM e SMT – só dificulta ainda mais a logística de muitos deles, que dependem dos bicicletários para tersegurança, bem como tantos outros trabalhadores que escolheram a bicicleta como veículo. Outra categoria que pode ser beneficiada são as pessoas que trabalham na área da saúde, também fundamentais no momento.

Para além da revogação imediata das medidas de fechamento dos bicicletários, gostaríamos de pedir que o Governo do Estado, Secretaria de Transportes Metropolitanos, Metrô e CPTM aproveitem a oportunidade e repensem seus horários de transporte de bicicletas nos trens, uma vez que essaampliação pode ajudar a desafogar o uso do sistema de transporte coletivo da cidade, que apresenta maior risco para a proliferação do vírus causador da doença COVID-19. São medidas nesse sentido – de estímulo ao transporte em bicicleta – que têm ajudado cidades ao redor do mundo a combater a epidemia do coronavírus.

Nossas propostas de ações emergenciais para o momento são:

*Reabertura de todos os bicicletários públicos, sobresponsabilidade municipal e estadual, com as devidas ações de precaução, tanto para equipes que trabalham nesses equipamentos, bem como para com usuários.

*Liberação total das bicicletas nos trens da CPTM eMetrô, além dos Ônibus Intermunicipais, balsas e travessias, contribuindo para que os ciclistas evitem outros meios de transporte, como carros por aplicativos, ônibus e vans lotados;

*Proibição que cidades paralisem o sistema de transportepúblico, além de manter ou aumentar a oferta de vagões (CPTM e Metrô) e ônibus (SPTrans e EMTU), diminuindo a concentração de passageiros e aumentado a distância entre os mesmos.

*Aumento com agilidade da infraestrutura cicloviária, comsinalização de ciclofaixas temporárias – ainda que de forma provisória – fortalecendo principalmente as conexões da periferia, pontes e rodovias com trechos urbanos;

*Reabertura da Ciclovia do Rio Pinheiros. A estrutura é um eixoimportante de transporte para os trabalhadores que precisam cruzar a cidade da Zona Sul à Zona Oeste com segurança.

*Promoção de campanhas de comunicação em todoos Estado para garantir mais segurança para ciclistas e pedestres nas ruas e rodovias das cidades, intensificando fiscalização de trânsito, principalmente com relação a limites de velocidade, considerando o aumento das velocidades pela redução dos congestionamentos.

Numa crise como essa é preciso ter inteligência e ousadia e não preconceitos ou achismos, para propor ações que quebrem o ciclo de propagação da doença; aliviar a demanda nos ônibus, melhorar a ciclologística e tornar a mobilidade mais eficiente e integrada são algumas delas.

 

Assinam esta manifestação pública:

– Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo – Ciclocidade

– Instituto Aromeiazero

– Associação Brasileira do Setor de Bicicletas – Aliança Bike

– Instituto CicloBR

– Bike Zona Sul

– Cidadeapé – Associação pela Mobilidade a Pé em São Paulo

– União dos Ciclistas do Brasil – UCB

– Bike é Legal

– Bike Zona Leste

– Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

– Ciclocomitê Paulista

– Vá de Bike

– Ascobike – Associação dos Condutores de Bicicletas de Mauá

– Rede Bike Anjo

Ajude na construção de melhores condições de vida e mobilidade em São Paulo.

Associe-se à Ciclocidade: http://www.ciclocidade.org.br/associe-se.


Top