Artigo Brito | 10 Dicas para ter as finanças do seu pet sob controle

Renato-Brito-MoreiraO mercado PET vem crescendo mundo afora, o Brasil hoje ocupa a terceira posição em faturamento no ranking mundial, isso faz com que muitas pessoas olhem para o ramo como uma oportunidade de negócio. Neste sentido, buscam capacitações técnicas (curso de veterinária, banho e tosa, embelezamento, entre outros…). Mas deixam de lado o planejamento e a gestão empresarial, não dando a devida atenção as áreas de administração, finanças, marketing e gestão de pessoas.
Há 2 anos trabalhamos intensamente com empresários do segmento PET e a partir dessa relação chegamos ao entendimento que para melhorar o desempenho dos negócios, os empresários precisam mudar a mentalidade e inserir a gestão empresarial em suas rotinas.
Para iniciar esse processo, seguem 10 dicas para ter as finanças do seu PET sob controle:

  1. Confusão patrimonial
    Misturar o dinheiro da empresa com o dinheiro pessoal é um grande risco e muitas vezes leva a empresa à falência, por isso é importante que o empresário tenha um salário definido (pró-labore) e não misture as contas pessoais com as contas da empresa.
  2. Definir uma pessoa responsável para controlar o financeiro
    É de suma importância ter uma pessoa responsável pela área financeira (de preferência quem se identifique com a área), pois quando várias pessoas ficam responsáveis, pode haver divergências nas informações e isso acabará prejudicando os controles e a tomada de decisão.
  3. Os controles devem ser feitos diariamente
    É imprescindível realizar todos os registros e baixas diariamente. Deixar para realizar os registros depois, pode acarretar no descontrole financeiro da empresa e perda de informações.
  4. Controlar caixa e banco
    Indica-se que todos os dias, no início das atividades, o empresário verifique quanto tem disponível no caixa e no banco, com atenção especial ao banco, verificando a exatidão dos possíveis créditos e débitos (cartões e cheques).
  5. Controlar contas a pagar (planejado e realizado)
    Toda empresa deve honrar seus compromissos, ou seja, pagar o que deve. Por isso é importante anotar todas as contas do período para não ter surpresas. Quando não tiver um valor fixo para as contas, o ideal é projetar um valor aproximado.
  6. Controlar contas a receber (planejado e realizado)
    Contas a receber é um direito da empresa. Tenha o controle absoluto desses recebimentos para não perder dinheiro por falta de pagamentos ou nem saber o que perdeu.
  7. Controlar o fluxo de caixa
    O fluxo de caixa é uma ferramenta indispensável para a gestão de uma empresa, pois retrata a realidade da mesma em um determinado período. Mantenha-o sempre atualizado e com as informações corretas.
  8. Capital de giro
    O capital de giro é um grande vilão principalmente para os pequenos negócios, pois quando mal calculado acaba colocando a empresa em uma “bola de neve” de dívidas, levando a mesma à falência. Calcule a real necessidade de capital de giro para que ele se torne seu aliado.
  9. Evite recursos de terceiros (geralmente é muito caro)
    Contar com dinheiro de terceiros (cheque especial, antecipação de cartão de crédito, empréstimos, entre outros…) custa caro e acaba levando todo o lucro da empresa. Tente fugir desses recursos, fazendo um fundo de reserva para imprevistos e tente financiar a empresa com recursos próprios.
  10. Estipule metas e acompanhe os resultados
    Estipule metas (curto, médio e longo prazo), pois sem metas claras a empresa não saberá onde quer chegar. Acompanhar o que foi planejado é fundamental para manutenção e ajustes que se façam necessários, afim de alcançar os resultados esperados.

Edição 112 | Petmagazine

Top