Maitê Barreto é campeã mundial de BMX na Inglaterra

maite[1]

A atleta da equipe de bicicross de Paulínia, Maitê Naves Barreto, de 12 anos, conquistou o título mundial na categoria até 12 anos. A prova foi realizada em Birmingham, na Inglaterra, na quinta-feira, dia 24 de maio. Maité foi vice-campeã em 2011 na Dinamarca e na temporada 2012, a jovem atleta revelada na Escola de Iniciação de bicicross de Paulínia, teve 100% de aproveitamento nos títulos disputados neste semestre.

A atleta conquistou neste ano em sua categoria o título brasileiro, em Leme,  pan-americano, em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e a Copa Internacional , em Paulínia, e lidera o estadual de 2012 em sua categoria. Em 2011, além do vice-campeonato mundial, Maitê Barreto também foi campeã latino-americana.

“A Maitê estava muito confiante quando saiu daqui do Brasil. A competição deste ano foi mais difícil, teve mais concorrentes, com mais de 30 atletas na sua categoria. Mais uma vez, ela demonstrou, mesmo jovem, muita frieza e personalidade, encarou as gringas  de Estados Unidos e Europa sem medo e foi campeã”, afirmou Josenaldo Barreto, pai de Maitê, e um dos grandes incentivadores para ela começar a praticar o bicicross.

Desde quando começou a praticar o bicicross, aos 5 anos de idade, Maitê coleciona títulos numa longa lista que inclui, entre outros, 5 brasileiros, 6 Copas Brasil, 6 pan-americanos, 6 sul-americanos, 6 paulistas e 6 regionais. Maitê começou a praticar o bicicross motivada pelo irmão Matheus, 5 anos mais velho, que, com 10 anos, começou a freqüentar as aulas na Escola de Bicicross de Paulínia.

A veia radical também foi herdada do pai Josenaldo Barreto, que, nos momentos de folga, praticava Motocross e Surfe.

“A emoção de pular uma rampa, voar com a bike, num esporte individual e de muita explosão e concentração,  fez Maitê se apaixonar á primeira vista pelo bicicross. É uma coisa muito forte que está no seu DNA”, enfatizou Barreto

A mãe, Fabiana Naves Barreto, relutou um pouco no começo, preferindo que a filha se dedicasse ao ballet, mas, no final, toda família deu apoio incondicional ao talento de Maitê para o bicicross.

“Quando ela compete, ainda bate um gelo na barriga de todo mundo, mas, no final, é gratificante ver Maitê se superar a cada dia. Esta experiência dá uma dose de autoconfiança que será fundamental em sua vida. Isso sem contar o clima de camaradagem de toda equipe, e a possibilidade dela conhecer sempre gente nova e  culturas diferentes.”, comentou Josenaldo Barreto.

*

Top